Publicidade
7 Minutoz

7 Minutoz

Rap do Kaneki (Tokyo Ghoul) - Faminto Por Humanos

Álbum: #7 Minutoz - Mais Tocadas 6 Plays

Rap do Kaneki (Tokyo Ghoul) - Faminto Por Humanos Letra

Eu era um tolo inocente, acreditava em cada palavra
Não esperava o que o destino me aguardava
A garota perfeita com o sorriso brilhante
Agora tinha seus lábios banhados pelo meu sangue
Tomado pelo terror, minha morte era evidente
A salvação pra mim veio através daquele acidente
Órgãos foram transplantados pra que eu pudesse ser salvo
Mas sinto que após isso eu despertei transformado

Agora sinto que comida não pode me saciar
Se tento me alimentar, quero vomitar
Eu me sinto enlouquecido, como uma besta doente
Não sinto fome normal, sinto fome de gente
A sanidade em minha mente está sendo perdida
Homens, crianças, mulheres, só os vejo como comida
A loucura em minha mente me faz perder a razão
E essa carne me chamando é como uma tentação

Um humano corrompido, não sei mais qual a verdade
Eu preciso resistir, insanidade é maldade
Perdido entre dois mundos, quero achar o meu lugar
Não sou um monstro, então pessoas eu não posso devorar
Olhe pra mim, veja que eu sou meio-à-meio
Um olho normal, o outro vermelho e negro
Olhe no espelho, perceba onde chegamos
Sou um ghoul e estou faminto por humanos

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Esse monstro faminto que vive dentro de mim
Sinto que alimentá-lo poderá ser o meu fim

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Dores que me perseguem
Questões que me consomem
Sou bom ou sou mau?
Sou monstro ou sou homem?

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Minha mente dividida
Me responda o que sou
A fome guia minha vida no mundo de Tokyo Ghoul

A cor que me sacia é o vermelho que vem da hemoglobina
Engana meu estômago através de cafeína
No mundo que descobri é difícil de se viver
A incerteza, sempre caçados pela ccg
À violência e matança, ninguém está imune
Sentenças são dadas num movimento da kagune

A fome que sinto é uma forma de antagonismo
Em meio à esses loucos que buscam canibalismo
Fui colocado dentro dessa guerra de dois lados
Não existe lado certo, não existe lado errado
Ambos vivem buscando sua forma de amor
Ambos sobrevivem em médio à ódio, terror e dor
Lutar já não parece algo errado de se fazer
Eu preciso aceitar, pra poder sobreviver

Mas aceite meu conselho, não cruze meu caminho
Não quero carregar o peso de ser um assassino
Matar e devorar é uma forma de egoísmo
Minha mente se perde dentro de um abismo
A luz não mais existe, não vejo a direção
É o momento de aceitar e abraçar a escuridão
A dor é o que nos molda, transforma, converte
Responda pra mim, quanto é 1000 menos 7?
Olhe no espelho, perceba onde chegamos
Sou um Ghoul e estou faminto por humanos

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Esse monstro faminto que vive dentro de mim
Sinto que alimentá-lo poderá ser o meu fim

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Dores que me perseguem
Questões que me consomem
Sou bom ou sou mau?
Sou monstro ou sou homem?

Eu não posso permitir
A fome me controlar
Uma fera quer sair
E eu não posso deixar
Minha mente dividida
Me responda o que sou
A fome guia minha vida no mundo de Tokyo Ghoul